Monstruosidades estelares

 

A enormidade de W Cephei torna nosso Sol insignificante. Nosso pequeno Sol, comparado a Mu Cephei, que não é representado aqui como um objeto circular por razões de espaço.  "Sun and VV Cephei A". Licenciado sob Public domain, via Wikimedia Commons
A enormidade de W Cephei A torna nosso Sol insignificante. De fato, o Sol praticamente não pode ser definido, nesta imagem. Imagem: “Sun and VV Cephei A”. Licenciado sob Public domain, via Wikimedia Commons

A gente está acostumada ao tamanho da nossa velha Terra, acreditando que se trata de um objeto imenso e que não caberia ele mesmo, em nosso próprio mundo.

De fato, não caberia, pois a nosso Planeta Azul, com seus 12.756 km de diâmetro, nos parece grande demais. Porém, essa noção vai por água abaixo ao constatarmos que objeto realmente grande é o Sol.

Como uma estrela, o Sol tem avantajados 1,4 milhão de quilômetros no equador, equivalentes a quase 110 terras enfileiradas.

O Sol possui 750 vezes a massa de todo o Sistema Solar, e 333 mil vezes a massa da Terra, o que faz do Astro Rei um objeto cósmico imenso.

Contudo, o Universo é algo como uma cavidade de grandeza, eu diria, infinitamente não-absoluta, usando um termo emprestado de minha teoria refracionária.

De fato, o Universo tem espaço suficiente para conter algo das dimensões do Sol. E ainda maior. Acontece que, pela quantidade de matéria que contém, nosso Sol é uma estrela acanhada.

Bem, os maiores objetos individuais do Universo, descontadas as galáxias – estas sim, imensas – são, quase sempre, estrelas vermelhas, porque velhas, e de muita, muita massa.

Esses objetos são inconcebivelmente grandes. São avantajados, de tal forma, que se torna difícil compreender quão enormes são.

Se a Terra é nada comparada ao Sol, este que nos garante a vida é inacreditavelmente minúsculo, virtualmente invisível, mesmo, perto de uma classe de estrelas realmente grandes, as superestrelas, ou hiperestrelas.

Gostaria de comentar um pouco sobre uma superestrela, VV Cephei A. É uma monstruosidade estelar de espectro luminoso classificado como M2. VV Cephei A tem entre 1600 a 1900 vezes o diâmetro solar, sendo entre 275 mil e 575 mil vezes mais luminosa que nossa estrela anã.

Com toda essa grandeza, se  fosse colocada no centro do Sistema Solar, sua superfície gasosa se estenderia para além da órbita de Júpiter. W Cephei A fica a 8.359 anos-luz do Sol, na constelação de Cefeu, visível durante o outono, no Hemisfério Norte.

Se VV Cephei A é enorme, contudo, ainda é pequena perto de Mu Cephei. (mu é a letra μ; as estrelas são designadas, em suas respectivas constelações, por letras como essa, do alfabeto grego). Mu Cephei é um objeto da categoria das superestrelas.

Nosso pequeno Sol, comparado a Mu Cephei, que não é representado aqui como um objeto circular por razões de espaço.  "Sun and VV Cephei A". Licenciado sob Public domain, via Wikimedia Commons
Nosso pequeno Sol, comparado a Mu Cephei, que não é representado aqui como um objeto circular por razões de espaço. Licenciado sob Public domain, via Wikimedia Commons

Embora existam luminares maiores, a diferença não é expressiva e, como é bastante conhecida, oferece um modelo compreensivo para o que seja uma hiperestrela.

Mu Cephei

Conhecida como Estrela Granada, tem esse nome por causa de sua tonalidade de um vermelho profundo. Esse monstro estelar fica a 5.000 anos-luz daqui, na periferia da nebulosa IC1396, na constelação do Cefeu, vista a olho nu, também durante o outono do Hemisfério Norte.

Uma das maiores estrelas conhecidas, é extremamente massiva, cerca de 70 massas solares, emitindo muita energia. Os astrônomos calculam que, por essa razão, essa estrela velha seja até 200.000 vezes mais luminosa que o microscópico Sol.

Apesar disso, é relativamente fria, para os padrões estelares, com cerca de 3.000°C. Mu Cephei é uma estrela colossal. Se colocada no lugar do Sol, sua superfície se estenderia a meio caminho das órbitas de Júpiter e Saturno, cerca de 900 milhões de quilômetros.

Sua superfície não é algo que pareça sólido. Primeiro, porque as estrelas, de modo geral, não têm superfície sólida, porque esses objetos são compostos por plasma, gás ionizado, mas bastante denso, por causa da imensa atração gravitacional do astro.

Uma estrela pulsante

Contudo, essa distância corresponderia ao raio da supergigante. Seu diâmetro é estimado em cerca de 1,8 bilhão de quilômetros, tamanho comparável ao de 1.285.714 estrelas como nosso Sol enfileiradas. Ou seja, nosso Sistema Solar inteiro é pequeno, para ela.

Mu Cephei pulsa, de modo irregular, em dois espasmos cíclicos superpostos de cerca de 2 e 12 anos, que anunciam  seu fim trágico, que deve acontecer em breve.

Seu destino é se autodestruir como uma supernova, quando forjará praticamente todos os elementos da Tabela Periódica, devendo restar em seu núcleo um buraco negro.

Leia também sobre as colossais hiperestrelas amarelas,

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − oito =