Sobrevoando o Rio

Por que gosto de voar: em uma relance, praticamente toda a cidade do Rio de Jeneiro. Em primeiro plano, na altura do painel de instrumentos do meu Trike, voando a 1,5 km de altitude, o Centro e o Aeroporto Santos Dumont. Um pouco à esquerda, a Glória, o Catete e o Flamengo. Na extrema esquerda, a Urca, o Leme e a Copacabana. Imagem: FSX.

Por que gosto de voar: em uma relance, praticamente toda a cidade do Rio de Jeneiro. Em primeiro plano, na altura do painel de instrumentos do meu Trike, voando a 1,5 km de altitude, o Centro e o Aeroporto Santos Dumont. Um pouco à esquerda, a Glória, o Catete e o Flamengo. Lá adiante, o Corcovado e o Cristo Redentor, refletindo a luz do Sol, ao amanhecer. Na extrema esquerda, a Urca, o Leme e a Copacabana. Ao fundo, o Maracanã. Imagem: FSX.

Eu afirmei, em outro post, que gosto de voar porque é uma atividade que me permite perceber, em um relance, uma vasta porção de determinado território.

Um dos panoramas mais bonitos que já descortinei, voando, é o do Rio de Janeiro. Certa vez, aproveitei um feriadão para sobrevoar a Cidade Maravilhosa. E fiquei maravilhado!

Para isso, carreguei o Flight Simulator X, ou FSX, em “Full” para um vôo panorâmico pilotando helicóptero pequeno, na cidade do Rio de Janeiro e fiquei surpreso com a riqueza de detalhes do cenário.

O Rio de Janeiro no FSX em “Full” faz juz ao nome de “Cidade Maravilhosa”. Dá para identificar cada bairro (Centro, Flamengo, Botafogo, etc.).

As favelas estão lá, encarapitadas nos morros e sobrevoei várias delas, em vôos rasantes. Dá para identificar cada favela pelo nome.

Pousei meu helicóptero no gramado do Maracanã

As praias de Ipanema, Leblon e Copacabana estão lá. Inclusive pousei meu pequeno helicóptero em plena praia de Copacabana. Instantes depois, decolei de lá e voei para o bairro da Gávea e… está lá a Pedra da Gávea, usada pelos voadores de asa delta.

Voando para sudeste, passei pelo morro do Corcovado, onde está a réplica do Cristo Redentor. Impressionante!

Sobrevoando o Corcovado e o Cristo, ao amanhecer: adiante e à direita, os bairros Humaitá e Botafogo. À esquerda do Cristo, o Cosme Velho, o Flamengo e o Catete. A famosa Ponte Rio-Niteroi aparece ao fundo.

Sobrevoando o Corcovado e o Cristo, ao amanhecer: adiante e à direita, os bairros Humaitá e Botafogo. À esquerda do Cristo, o Cosme Velho, o Flamengo e o Catete. A famosa Ponte Rio-Niteroi aparece ao fundo.

Mais adiante, na mesma proa, o Maracanã. Pois pousei meu helicóptero em pleno gramado do estádio. Devia ser um clássico, porque as arquibancadas estavam lotadas e havia jogadores espalhados pelo campo.

Em outro vôo panorâmico, utilizei um Trike, que é uma asa delta motorizada da frota do FSX. Eu estava intrigado com o visual a partir do topo da Pedra da Gávea.

Voar da Pedra da Gávea

E tinha visto que os voadores de asa delta saltam da Gávea e pousam tranquilamente na Praia de Copacabana, lá em baixo. E então, resolvi simular esse vôo, para ver se a paisagem coincidia.

O Trike é um aviãozinho, que requer algumas dezenas de metros de pista, para pousar e decolar. Logo, ficou inviável eu sair do Aeroporto Santos Dumont, que fica perto, e pousar na Pedra da Gávea, pois lá não tem pista, logo.

A imensa Copacabana se descortinava, abaixo de mim

Então, resolvi pousar lá de helicóptero, mesmo. Aluguei um JetRanger, da frota do FSX. Decolei do Santos Dumont, sobrevoei o Pão de Açúcar, que fica ao sul do aeroporto, e avistei a Praia de Copacabana à direita. Logo atrás,  a Pedra da Gávea, e voei em sua direção.

Consegui pousar na segunda tentativa. Feito o pouso, passei a apreciar a paisagem a partir de lá, constatando que a paisagem é mesmo muito semelhante à que tinha visto na TV e em fotos.

Do alto da Pedra da Gávea, descortinei uma área residencial e comercial, abaixo, e mais adiante, por trás de uma fila de edifícios, na orla da praia, dava para ver a imensa e bonita  Copacabana, com sua forma arqueada, as ondas arrebentando tranquilamente sobre a areia da praia.

É um visual muito bonito e de fato, coincide com as fotos que tinha visto. Instantes depois, acelerei o motor, subi aos ares na proa leste, contornei o Corcovado, onde está o Cristo, de braços abertos, e voltei para o Santos Dumont, para um pouso tranquilo.