Nossa imagem e semelhança

Nossa imagem e semelhança projetada na superfície da Lua, cercada por algumas estrelas da constelação de Peixes. Fotos: Tom Lima

Nossa imagem e semelhança projetada na superfície da Lua, cercada por algumas estrelas da constelação de Peixes. Fotos: Tom Lima

Já testemunhei alguns eclipses da Lua, totais ou parciais. Nessas ocasiões, não deixo de contemplar o fato de que a sombra vista na superfície do satélite natural é uma projeção do meu próprio mundo, o planeta em cuja superfície moro e vivo.

Não que uma sombra negra que avança lentamente e se torna avermelhada denote que meu mundo, este planeta, seja um lugar onde o Brasil passa por uma crise política e econômica verdadeiramente tenebrosa.

Ou pela extrema violência praticada por humanos contra humanos que pode, simplesmente, aniquilar esta civilização. Ou ainda a crise climática que ameaça nos deixar sem água potável.

De fato, ali, naquela sombra de tons sanguinolentos, estão contidos todos os nossos dramas. Ela é como um exame de raios-X cósmicos, a denunciar para os céus a triste condição humana. Aquela escuridão cor de sangue era apenas o retrato da nossa própria angústia.

A fase parcial está praticamente no fim (note ocidental da Lua, à direita, ainda levemente escurecida. Contudo, a Lua ainda está totalmente imersa na penumbra. Tom Lima

A fase parcial está praticamente no fim (note ocidental da Lua, à direita, ainda levemente escurecida. Contudo, a Lua ainda está totalmente imersa na penumbra. Tom Lima

Contudo, o eclipse é também um fenômeno bonito e logo, naquela mesma sombra, está também a imagem do que nos torna felizes, de uma forma ou de outra.

E, de modo geral, a sombra de um mundo que é o que é: o único objeto sideral no qual podemos, sabemos seguramente, morar e viver.

Não por culpa da convexidade lunar

Agora, este mundo aqui não é plano nem pontiagudo. Foi o que notei ao ver nossa sombra projetada na superfície da Lua, durante o eclipse total do astro.

A sombra da Terra engolfa quase metade da Lua, após tomar quase todo o hemisfério oriental: a sombra da Terra é convexa. Imagem: Tom Lima

A sombra da Terra engolfa quase metade da Lua, após tomar quase todo o hemisfério oriental: a sombra da Terra é convexa. Imagem: Tom Lima

Quando observo esse fenômeno, não posso deixar de notar que a escuridão ali depositada tem borda arredondada e o objeto que a projetou deve ter essa mesma forma.

E não há como argumentar que, na verdade, a sombra arredondada que engolfou a Lua teria sido projetada por outro objeto que não a Terra.

Nem dizer que é arredondada porque a Lua, esta sim, é esférica: a convexidade lunar teria feito as bordas retas ou pontiagudas da sombra terrestre se distorcerem para acompanhar a forma da Lua, dando a falsa ilusão de que era redonda.

Cone gigantesco

Astronomicamente falando, este planeta mede 12.756,6Km de diâmetro, no Equador. Ao ser iluminado pela estrela mais próxima, o Sol, emite uma sombra que começa com essas mesmas dimensões e se projeta no espaço na forma de um cone gigantesco.

Apesar de estar no hemisfério ocidental, onde a convexidade dasuperfície lunar se inclinou para o lado oposto, a sombra mantém um perfil arredondo. Tom Lima

Apesar de estar no hemisfério ocidental, onde a convexidade dasuperfície lunar se inclinou para o lado oposto, a sombra mantém um perfil arredondo. Tom Lima

Ao atingir a distância em que a Lua se encontra, reduziu sua largura para cerca de 9 mil quilômetros de diâmetro, 2,5 vezes maior que satélite, que mede  3.476,28km de diâmetro, no equador.

E continua se afunilando na imensidão sideral até 1,38 milhão de quilômetros, equivalente a 3,6 vezes a distância média Terra-Lua, 380.000 km.

Bem, um evento como o visto de todo o Brasil na noite/madrugada de domingo/segunda-feira, 27-28 de setembro de 2015, mostra que nosso mundo é, mesmo, redondo.

Prova mais antiga

Seguramente, a forma da sombra foi a primeira prova de que a este mundo é redondo, embora já se acreditasse, num passado muito remoto, que a ele era plano.

A sombra da Terra retrocede, após a totalidade. Tom Lima

A sombra da Terra retrocede, após a totalidade. Tom Lima

Contudo, há provas de que uns 300 anos antes do início da Era Cristã os gregos já sabiam que a Terra era esférica.

Erastótenes de Alexandria, que viveu entre 276 a.C. e 194 a.C., escreveu um livro chamado “Sobre a medição da Terra”, em que descreveu o procedimento para medir a circunferência da Terra, o que ele mesmo executou, com bastante precisão.

Ora, só se tem circunferência um objeto arredondado, ou esférico. O fato é que a imagem da Terra projetada na distância, na Lua, é sempre uma visão esclarecedora.

Outras imagens:

Quase no fim da fase parcial do eclipse. Tom Lima

Quase no fim da fase parcial do eclipse. Tom Lima