Você está em: Esquisitices cósmicas

Impressão artística do que seriam enormes manchas na superfície de uma estrela como o Sol. A imagem à esquerda seria em luz visível. A outra, com um filtro que capta emissão de cálcio. Imagem Kioto  University.

Mancha gigante no Sol

Imagine o Sol exibindo uma enorme mancha escura como nesta ilustração. Assustador, não? Nossa estrela pode já ter ficado assim e provavelmente ficará novamente.

Vega, com sua estranha forma oval, comparada ao Sol. Imagem por RJHall (self-made using Paint-Shop Pro.) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons

Estrela oval é vista a olho nu

A enorme estrela Vega, na constelação de Lira, é azul e tem uma estranha forma ovalada. Essa monstruosidade cósmica é vista a olho nu, a partir do início da noite.

Concepção artística ilustra como um buraco negro, na constelação do Cisne, acresce matéria que suga de uma estrela próxima. Imagem por ESA [Copyrighted free use], via Wikimedia Commons

Físico é miragem consciencial

A dimensão física não existe como tal e na verdade, não passa de uma miragem. É o modo como a razão ortodoxa interpreta a realidade palpável para nela viver.

Representação visual de uma singularidade: onde componentes reais se confundem. Imagem por Functor Salad (Own work) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons

Singularidade refracionante

A singularidade é uma forma de aberração, para os físicos. Mas, para mim, é onde a dualidade A e B, o físico e o não-físico, se refraciona no real.