Água, água em todo lugar

Concepção artística de um exoplaneta com água líquida em sua superfície:  abundância. Imagem: By Lucianomendez (Own work) [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) or GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html)], via Wikimedia Commons

Concepção artística de um exoplaneta com água líquida em sua superfície: abundância. Imagem: By Lucianomendez (Own work) [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) or GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html)], via Wikimedia Commons

Água parece tão escassa na Terra, mas apenas do tipo potável. Na verdade, a água é um dos recursos mais abundantes não só neste planeta, mas em praticamente todos os astros do Sistema Solar e, por extensão, de todo o Universo.

Neste planeta, a água cobre 71% de sua superfície. A quase totalidade dos oceanos daqui é líquida porque este planeta está dentro da chamada zona habitável da estrela à qual pertence, chamada Sol.

Além disso, este planeta tem massa e gravidade suficientes para reter atmosfera, que por sua vez, proporciona pressão suficiente para que a água permaneça estável em sua superfície.

Como se sabe, zona habitável é a região não perto demais de uma estrela, para que a água não evapore, nem muito longe, para que congele.

Água congelada na Lua

Água líquida é condição indispensável para manutenção de um amplo espectro de seres vivos, já que criaturas conhecidas como extremófilos conseguem se manter vivas em condições só existentes fora da zona habitável.

Se a Lua, como satélite da Terra, está, também, na zona habitável do Sol, deve conter água líquida, certo? Errado.

A Lua é pequena (cerca de um quarto do diâmetro da Terra), não tem massa suficiente nem gravidade para sustentar uma atmosfera consideravelmente densa.

Contudo, há água congelada, lá. Ela foi localizada nas profundezas de crateras que nunca recebem raios solares, nos polos eternamente sombreados da Lua.

Jorrando em Marte

No Sistema Solar, asteroides do grupo Apollo estão dentro da zona habitável, mas também têm massa pequena demais. Já se sabe, porém, que alguns asteroides contêm gelo.

Além da Terra, Marte é o único planeta dentro da zona habitável do Sol. Contudo, com metade do diâmetro da Terra, tem uma atmosfera rarefeita e pressão insuficiente para manter água líquida.

Água líquida existe em Marte, porém. Ela fica no subsolo e eventualmente jorra pelas encostas de crateras, como já foi largamente documentado.

Há muita água em Marte, também, nas calotas polares e na atmosfera, na forma de vapor, que formam nuvens visíveis com telescópios amadores, como o meu refletor de 25cm.

Vulcões que cospem água e gelo

A ocorrência de água na Lua reforça a ideia de que água é um recurso abundante. Ela lá foi localizada em luas geladas de Júpiter e Saturno, onde eventualmente entram em erupção vulcões de água gelada e gelo.

O planeta Mercúrio está na região inferior da zona habitável do Sol, portanto, perto demais da estrela. Contudo, há água congelada em algumas crateras polares.

Ainda no Sistema Solar, há água em cometas e em vários objetos chamados planetas anões, como Plutão e Ceres.

Água existe nos locais mais surpreendentes possíveis. Há água, na forma de vapor, na atmosfera do Sol e na de Mercúrio.

Nuvem de água em objeto energético

Até mesmo em quasares há água. Quasar, sigla de objeto quase estelar, são objetos relativamente pequenos, mas mais energéticos do que uma galáxia inteira.

Pois os astrônomos detectaram uma descomunal massa de vapor de água em um quasar localizado a 12 bilhões de anos-luz daqui, contendo 140 trilhões de vezes mais água que todos os oceanos da Terra juntos.

Os astrônomos já detectaram nuvens de água no espaço profundo no interior da Via Láctea, nossa galáxia.

E sabe-se agora que boa parte da água existente hoje em astros solares estava na nuvem protoestelar que gerou todo o sistema. Ou seja, parte da água que a gente bebe hoje foi originada ainda antes de o Sistema Solar ter se formado.

Como toda essa água, cuja molécula, sua unidade básica, é formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O) se formou?

Mesma idade do Universo

Á água é abundante no Universo simplesmente porque é constituída por hidrogênio e oxigênio, alguns dos elementos mais básicos que existem.

Hidrogênio, um único próton, é o elemento mais simples e portanto, o mais abundante, estando por aí desde a origem de tudo.

O oxigênio, porém, é um elemento mais complexo, com 8 prótons. É o terceiro mais abundante no Universo, depois do hidrogênio e do hélio, que tem dois prótons.

Se o hidrogênio surgiu logo após o Big Bang, o oxigênio apareceu nas explosões das primeiras estrelas de grande massa do Universo.

Em todo caso, pode se deduzir que a água é tão antiga quanto o próprio Universo. E como água é elemento indispensável à vida, pelo menos como a que conhecemos, é provável que a vida seja tão antiga e abundante quanto a própria água.