A teoria refracionária

A teoria refracionária revela o homem como ele é: plenamente. Imagem por Anna Chromy (http://annachromy.com) [CC BY 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by/3.0)], undefined

A teoria refracionária revela o homem como ele é: plenamente. Imagem por Anna Chromy (http://annachromy.com) [CC BY 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by/3.0)], undefined

O homem se integra a um todo consciencial, a consciência cósmica, que passo a chamar consciência refracionária, que é o elo entre o físico e o não-físico. Assim, o refracionismo revela o homem e o mundo como são, plenamente.

Os quatro posts que vieram antes do último, “Consciência cósmica”, “Antropologogia hexadimensional”, “Paradigma evolucional” e “Liberdade ordenada”, indicavam que eu tinha um conjunto teórico praticamente completo, na área da cosmologia filosófica.

No domingo de 9 de janeiro de 1994, finalmente, saiu publicado no jornal O Dia, de Teresina (PI), um artigo meu chamado “A teoria cosmológica”, descrevendo um resumo da realidade sob esse ponto de vista, e as implicações da teoria nos vários campos do saber.

Tempos depois, na medida que aperfeiçoava seu escopo, mudei o nome desse conjunto teórico para teoria refracionária, por razões que serão compreendidas, mais adiante. Na elaboração deste post, utilizo já o termo teoria refracionária.

Para início de conversa, a teoria mostra que o homem não se reduz ao mundo físico, perceptível aos sentidos físicos, porque a realidade não exibe distinção essencial entre os aspectos físicos, objetos de estudo das ciências fundamentadas no método científico, e os não-físicos, ou sutis, como as coisas do espírito, Deus.

Temos acesso à realidade refracionada pelos sentidos

Na verdade, o homem se integra a um todo consciencial, a consciência cósmica, que passo a chamar consciência refracionária, que é o elo entre o físico e o não-físico. Assim, o refracionismo revela o homem e o mundo plenamente.

Para a teoria refracionária, o homem se concretiza em um astro, a Terra, planeta que se integra ao Universo Físico que contém ainda o Sol, a Via Láctea, o Grupo Local de Galáxias, e assim por diante.

Contudo, o Universo Físico não encerra o assunto. Posso perceber o Universo Físico e a ordem subjacente. Os astros que compõem o Universo Físico ocorrem, portanto, ordenadamente.

A soma dele, o físico, com o ordenamento é o Cosmos. E essa totalidade se confunde e condensa na consciência refracionária, ou consciência cósmica, a grande unicidade ordenada, a expressão de Deus, de onde tudo se origina, ou refraciona. Em outro post, explicarei como se dá o refracionamento divino.

Por ora, a consciência refracionária, expressão de Deus, se manifesta na realidade refracionada, a que temos acesso com nossos sentidos físicos e, também, com os sentidos não-físicos – estes relacionados à intuição, ao pensamento, ao espírito, à mediunidade ou percepção extra-sensorial ou, ainda, paranormalidade.

Consciência ordinária descreve o homem limitado ao plano físico

Ao se manifestar na realidade refracionada, a consciência refracionária transmuta sua própria substancia uma. Ou seja, ela se manifesta no físico e no não-fisico e, portanto, ambos têm, assim, a mesma composição substancial. Comparativamente, o físico se expressa ora como matéria, ora como em energia, mas ambas são, na sua essência, a mesma coisa.

Contudo, há mais. Vimos o que é a consciência refracionária, que diz respeito a Deus. Vou acrescentar, aqui, um outro elemento, a consciência ordinária. Ora, a consciência refracionária, que não é universal, mas cósmica, está acima do físico e do não-físico.

Explicando melhor: é comum tanto ao físico, que interpenetra, como ao não-físico, que também interpenetra, porque origina e dá ordem a tudo – dá origem à própria consciência ordinária, à qual o homem, enquanto limitado à dimensão física, ou plano físico, está imerso.

Movimento segue para conformação extremada

Ou seja, a consciência ordinária é a comum, limitada, de todos nós, ocupados demais com as coisas mundanas, alienados, levados pelas funções biológicas primais do nascer- crescer- multiplicar-morrer, que não enxergam um palmo à frente do nariz, e não se dão conta da realidade maior.

A realidade refracionada, formada pelo físico e pelo não-físico, ou físico-não-físico, segue para Deus, de onde parte, assim, tudo se move, e se move segundo uma ordem, um sentido.

O movimento oscila evolutivamente entre dois extremos, ou polos aparentemente antagônicos, mas como os polos são faces da mesma realidade, são essencialmente semelhantes.

E como ambos se movem evolutivamente para Deus, a direção do movimento é para a conformação extremada. Ou seja, os polos, que parecem antagônicos ou extremos, se confundem na semelhança e se conformam entre si.

Isso significa que o ciclo bipolar, imerso na realidade refracionada, se move como uma espiral, conformando-se nos extremos no bem cósmico, que é a comunhão das criaturas entre si e estas com o Cosmos, Deus.